quinta-feira, 15 de julho de 2010

Padaria Espiritual


Quando entrei naquela sala e encontrei um ambiente preparado, foi como uma viagem no tempo. Voltei para o século XIX, foi como se a Padaria Espiritual estivesse funcionando de verdade ali. Isso foi o que senti naquela hora. Eternizar tinha dado certo. Durante a noite me emocionei vendo os trabalhos da gurizada, a entrevista, me preocupei com o sumiço das galinhas(já escrevi para a Ângela), me diverti, me alimentei, foi muito bom.
Mas foi no finzinho do encontro, nos últimos momentos, que percebi o que estava em jogo. Ontem nós conseguimos reviver esse espírito criativo e emancipatório que só a literatura pode nos dar. Nós lemos poemas, clássicos e modernos e experimentamos a criação literária. Por fim multiplicamos nossas idéias, oralmente, como tudo começou e por escrito, como tudo se perpetua.
Foi um momento mágico e cheio de alegrias.
Pra comemorar estou tomando café alternando minhas canecas e me aquecendo com manta arco-íris que ganhei, colorindo meu caminho nesse dia nublado.
Obrigada a todos, mas principalmente a Eroni e ao Gilmar ,que fizeram valer esses anos debulhando o milho e sovando um pão quentinho.

Nenhum comentário:

Postar um comentário